Nordeste e o Centro-Oeste aumentam números da construção civil no País

Padrão

Imagem: divulgação

Publicado em 15 de junho

De acordo com dados da Pesquisa Anual da Construção (PAIC) 2010, divulgada hoje, 15 de junho, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Nordeste e o Centro-Oeste aumentaram a participação na indústria nacional da construção, na comparação com as demais regiões do país nos anos de 2007 a 2010. O Nordeste registrou no período um crescimento de 17% para 19% no pessoal ocupado e de 11,7% para 13,8% no valor das incorporações, obras e serviços. Já o Centro-Oeste, houve ampliação de 7,2% para 7,6% na mão de obra empregada, enquanto as incorporações, obras e serviços aumentaram de 6,8% para 7,4%.

Segundo o IBGE, esse desempenho resulta do fato de que as duas regiões se beneficiaram dos investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Programa Minha Casa, Minha Vida, assim como das obras preparatórias para a Copa do Mundo de 2014. Entre essas obras, destacam-se, no Nordeste, a transposição do Rio São Francisco, o emissário submarino de Salvador (sistema de lançamentos de resíduos no oceano, distante da costa) e as ferrovias Transnordestina e Leste-Oeste. Já no Centro-Oeste, os destaques foram a construção da Ferrovia Norte-Sul e as obras de duplicação de diversas rodovias.

Apesar do crescimento verificado nas regiões Nordeste e no Centro-Oeste, o Sudeste manteve em 2010 a maior participação em pessoal ocupado, totalizando 56,1% e no valor das incorporações, obras e serviços da indústria da construção, com a marca de 63,6%.

No geral, a pesquisa do IBGE mostra que em 2010 as incorporações, obras e serviços das empresas de construção somaram R$ 258,8 bilhões, um aumento real de 23,3% em relação a 2009. Excluindo-se as incorporações, o valor das obras e serviços atingiu R$ 250 bilhões, 42,8% dos quais provenientes de obras públicas. Essa participação foi ligeiramente menor do que em 2009, quando as obras públicas representaram 44% do total. Já a receita operacional líquida atingiu R$ 245,2 bilhões, uma expansão de 23,4% sobre 2009.

Em 2010, as 79,4 mil empresas de construção do país empregaram cerca de 2,5 milhões de pessoas e tiveram gastos com pessoal ocupado no total de R$ 63,1 bilhões. Esses gastos representaram 30,7% do total de custos e despesas do setor, que foi R$ 205,6 bilhões. O salário médio mensal ficou em R$ 1.300, 8,7% superior aos R$ 1.196 de 2009.

Os números da Paic mostram ainda que entre 2007 e 2010 a receita bruta da construção cresceu 96,3%, passando de R$ 134 bilhões para R$ 263,1 bilhões. A pesquisa levantou informações sobre o segmento empresarial em todo o território nacional, comparando os dados com os de 2009 e 2007.

*Com informações da Agência Brasil

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s