Sede do Facebook será reformado por renomado arquiteto

Padrão

Publicado em 12 de setembro de 2012

Frank e Mark Zuckerberg decidem as alterações da sede./ Foto: Equipe Frank Gehry

A sede da gigante das redes sociais, o Facebook, passará por reformas e quem assina o projeto é o renomado arquiteto Frank Gehry, que será o responsável pela expansão da sede da empresa em Palo Alto, na Califórnia. O conjunto ocupará um terreno de 90 mil m², na área conhecida como Menlo Park, onde já está instalado Facebook.

O início previsto para começar as obras é de janeiro de 2013, e inclui uma série de galpões com capacidade para abrigar 6 mil novos funcionários, boa parte deles engenheiros, além de cafeterias e restaurantes. A área total construída excederá os 40 mil m² atuais. Haverá pouca ou nenhuma divisão interna entre os setores, junto de grandes aberturas laterais, para garantir que todos os funcionários possam observar os bosques do local.

Foto: Equipe Frank Gehry

A natureza é o que define o conceito desenvolvido por Gehry para as novas construções. Todas elas terão tetos verdes com área de plantio profunda o suficiente para que sejam cultivadas plantas nativas. As coberturas serão acessíveis para todos os funcionários da empresa e funcionarão como uma extensão das florestas que marcam o campus. Ciclovias e caminhos de pedestres complementam o projeto, que de acordo com o arquiteto, definem sua identidade.

Ações da Gafisa sobem 13,16% e mantém otimismo da empresa

Padrão

Publicada em 12 de setembro

Terça-feira terminou com saldo positivo para a Gafisa. As ações da empresa subiram ontem 13,16%, depois que a incorporadora anunciou que está estudando opções estratégicas para seu segmento de negócio Alphaville. Os papéis fecharam o pregão negociados a R$ 4,47.

De acordo com informações da Gafisa a análise de opções estratégicas foi motivada pelo sentimento de que o valor da Alphaville estaria sofrendo uma avaliação depreciativa no preço atual de sua ação. Em 12 meses, os papéis têm uma queda de aproximadamente 45%.

René Brandt, analista da Fator Corretora, explica que “o atual valor de mercado de Gafisa pode não refletir totalmente AlphaVille, mas reflete a expectativa de baixa rentabilidade por longo período de tempo nos negócios Gafisa e Tenda, os desafios operacionais da Tenda e o problema de liquidez que, apesar de ter se dissipado, ainda não foi descartado”.

A Gafisa contratou dois bancos de investimento, Rothschild e Bain & Company, para avaliar o preço da Alphaville e ajudar na tomada de decisão, entre as possibilidades estão incluídas a abertura de capital da Alphaville, a venda de participação e até mesmo a manutenção de tudo como está.

Para a analista Karina Freitas, corretora Concórdia, se a opção escolhida for à venda da Alphaville ou o IPO, a Gafisa terá reforço para seu caixa e melhora em sua estrutura de capital, já que a entrada de caixa ajudaria a aliviar a situação da incorporadora, que hoje tem seu patamar de endividamento em torno de 110%, com dívida líquida de 3,09 bilhões de reais.

“Acreditamos na viabilidade das alternativas estudadas pela Gafisa, pois o segmento AlphaVille tem se destacado positivamente em relação aos demais negócios da companhia e acreditamos que haveria demanda em eventual IPO ou venda de participação no segmento”, completou Brandt.

As expectativas em relação a Gafisa tem sido mais otimistas desde a divulgação de seu último balanço trimestral. A companhia reverteu um prejuízo líquido de 31,8 milhões de reais no segundo trimestre de 2011 para um lucro líquido de 1 milhão de reais no segundo trimestre de 2012. Desde então seus papéis tiveram valorização de 10,10%.

Uma cidade de porcelana que inspirou arquitetura européia

Padrão

Publicada em 11 de setembro

Vista superior de São Luís do Maranhão./ Foto: Ecoviajem

A cidade de São Luís do Maranhão, patrimônio Cultural da Humanidade, é conhecida como a cidade de porcelana, já que azulejos eram usados para cobrir a fachada das casas da cidade nos séculos passados. O uso deste material não servia apenas para decorar a parte externa dos imóveis, mas também para protege-los do calor e da umidade. Ao mesmo tempo o azulejo mantinha-se mais duradouro que a pintura em virtude da maresia. A maioria dos azulejos usados na cidade eram trazidos de Portugal nos séculos XVIII e XIX, e os mais comuns utilizavam a técnica de estampilha com retoques à mão livre.

Prédios que compões o centro histórico da capital maranhense./ Foto: TripAdvisor

Grande parte das três mil e quinhentos imóveis, que compõe o acervo arquitetônico do estado maranhense, foram construídos pelos senhores que comandavam a produção de algodão na região. Os sobrados e solares compõe no centro histórico da capital uma arquitetura uniforme e de beleza simples e que remete aos tempos de apogeu econômico da cidade.

Além dos azulejos na parte externa essas construções mostram outro detalhe bem interessante. Mantém as portas em pedra de cantaria e sacadas em pedra lioz. Os sobrados, de até 4 andares, tinham duas funções: comércio, no térreo, e residência, nos andares superiores.

A experiência de usar azulejos, um material bem barato, nos imóveis da capital do Maranhão foi tão boa que a ideia foi exportada para Portugal. Na verdade serviu de inspiração para reconstruir rapidamente as cidades de Lisboa e Porto que haviam sido arrasadas com um terremoto que atingiu ambas localidades em 1755.

Detalhe de fachada de sobrado./ Foto: Matraqueando

Uma curiosidade apontada é que muitas das casas que possuem azulejos na fachada não são do tempo colonial. Isso porque os proprietários das casas históricas com azulejos não pagavam impostos, o que levou muita gente a recobrir os seus imóveis com réplicas das peças antigas para se aproveitar da isenção do imposto.

Conheça um pouco da história de São Luís do Maranhão:

A cidade era uma aldeia tupinambá e foi conquistada pelos franceses em 1612, comandados por Daniel de La Touche, que construíram um forte e o nomearam São Luís, em homenagem a Luís XIII da França. Os franceses se aliaram aos nativos na resistência aos portugueses, porém em novembro de 1615, foram expulsos, sob o comando de Jerônimo de Albuquerque, que se tornou o primeiro capitão-mor do Maranhão.

Praça do Centro Histórico de São Luís do Maranhão./ Foto: Prefeitura Municipal de São Luiz

São Luís também esteve sob o controle holandês no período de 1641 a 1644. Somente depois de ter sofrido ataques o governo colonial português (pós 1644) decidiu fundar o estado do Grão-Pará e Maranhão, independente do resto do país. Nessa época, a economia era baseada na plantação, e depois exportação, de cana-de-açúcar, cacau e tabaco. Conflitos entre as elites por motivos econômicos levaram à Revolta de Beckman.

Pelos idos de 1860, com o início da Guerra Civil Americana, a região passou a fornecer algodão para a Inglaterra. A riqueza proporcionada por essa atividade foi usada para modernizar a cidade, com atenção especial a educação que foi reforçada com a chegada de religiosos para lecionar nas suas escolas e a implantação de redes de água e saneamento. A cidade chegou a ser a terceira do país em população, mas no fim do século XIX a agricultura entra em decadência e, desde então, a cidade busca outras atividades para manter-se.

Apesar de ter sido dos franceses e holandeses as edificações só surgiram após do século XVIII e o domínio português.

Fonte:

Cidades Históricas

Facem

Wikipédia

Tapumes da Brookfield Incorporações viram obra de arte em Sampa

Padrão

Publicado em 10 de setembro

Nina Moraes ilustrou o tapume do empreendimento L’adresse./ Foto: divulgação

Durante todo o mês de agosto a Brookfield Incorporações deu sequência ao seu projeto próprio que promove à arte urbana – o Urban Gallery -, e convidou nomes do street art nacional para ilustrar seus tapumes em São Paulo durante o período. As artes tiveram como tema a qualidade de vida na metrópole. Além disso, uma das paredes de um futuro lançamento no Centro também ganhou cores e formas. O resultado obtido se transformou em uma linda exposição na Av. Augusta, no empreendimento Ca´d´Oro São Paulo, e que pode ser vista durante todo este mês de setembro.

A artista gráfica gaúcha Nina Moraes ilustrou o tapume de 124 m2 do empreendimento L’adresse, na rua Diogo Jácome, na Vila Nova Conceição. Reconhecida por utilizar formas essencialmente femininas como elementos essenciais de sua arte, ela fez um trabalho em que as linhas estão em movimento e exploram imagens que valorizam formas orgânicas retratando natureza, movimento, liberdade e prazer.

Binho Ribeiro, um dos pioneiros da arte de rua no Brasil, também participou do projeto da incorporadora. Binho grafitou um tapume 129 m2 do empreendimento Brookfield Home Design Brooklin, na Rua Prof. José Leite e Oiticica.

Binho Ribeiro grafitou o tapume do empreendimento Brookfield Home Design Brooklin./ Foto: divulgação

Quem finalizou as obras foram os artistas do Projeto Quixote, OSCIP que atuam com crianças, jovens e famílias em situações de risco por meio de atendimento clínico, pedagógico e social, fizeram a pintura da parede externa de um estande, montado na Rua do Glicério, 301.

Os trabalhos somam-se ao tapume do Urban Gallery que pode ser conferido na Av. Augusta, no empreendimento Ca´d´Oro São Paulo, que serviu de vitrine para a arte do artista plástico e fotógrafo Flavio Samelo.

Adriana Pusch, diretora de Marketing Institucional da Brookfield Incorporações, disse que o Urban Gallery tem conseguido cumprir seu papel de tornar a arte mais democrática, de acesso fácil e gratuito para toda a população, além de valorizar o espaço público. “Está no DNA da empresa interferir na paisagem urbana de maneira positiva, levando cores e formas por meio de seus empreendimentos, e o projeto reforça essa nossa atuação já que contribui para tornar as cidades mais bonitas”, salientou.

Acabe com a umidade da sua casa e se livre do mofo

Padrão

Publicada em 10 de setembro de 2012

Buscar a causa da umidade é o primeiro passo./ Foto: da internet

Umidade é um dos problemas mais conhecidos dentro de uma casa. Irrita à todos, principalmente aqueles que tem alergia. Com a umidade vem o mofo e o mal cheiro. Pois bem, a arquiteta Camila Chalon trouxe para nós algumas dicas importantíssimas para quem tem esse problema em casa. Imóvel mofado estraga a decoração de qualquer ambiente.

O primeiro de tudo, de acordo com a arquiteta, é verificar de onde vem a umidade do imóvel e qual o tipo. São três básicos: decorrente do mau tempo (chuva, ventos), umidade por condensação e ascendente por capilaridade.

1º Decorrente do mau tempo: pode ser um vazamento no telhado, em algum local da fachada, que quando mal vedada penetra dentro da residência destruindo forros, lajes de cobertura.
Solução: Comece pela busca do local de vazamento, claro que isso pode não ser nada fácil, principalmente se aparentemente não se consegue visualizar a causa, verifique as calhas, algerosas, telhas.

2º Umidade por condensação: acontece principalmente na cozinha e banheiro quando o vapor quente desses ambientes entra em contato com as superfícies frias (paredes, espelhos), formando aquelas gotinhas de água na parede. Isso pode com o tempo prejudicar o acabamento dessas superfícies, azulejos, pintura, papel de parede.
Solução: Primeiro seria o ambiente ser o mais ventilado possível de forma natural, mas o uso de desumidificadores de ar, aquecendo o ambiente fazem com que esses locais fiquem secos. Esse tipo de umidade é passageira, o importante é deixar os locais secos para que não se proliferem microorganismos.

3º Umidade ascendente por capilaridade: esse nome descreve o mal existente em diversas casas, muitas pessoas sofrem com esse problema onde o principal causador é o nível do lençol freático e a falta de impermeabilização nas vigas de fundação.
Comum ver as paredes até cerca de um metro de altura molhadas, mofadas, com a pintura em bolhas, inchada, descascando.
Solução: Bom, essa umidade teria que ter sido evitada durante a execução da obra, onde teria que ter sido verificada a impermeabilização das vigas de baldrame, mas como é sabido que durante a construção acontecem diversos poréns, vamos a duas soluções um pouco caras que podem resolver essa dor de cabeça.

3.1 Cristalização – Injetando produtos cristalizantes em furos feitos nas bases da parede, impedindo a ascensão da umidade, é uma solução definitiva, rápida e fácil já que não interdita o local, principalmente para quem esta residindo.Quanto mais úmido o local mais o poder de penetração do produto.
3.2 Substituição da alvenaria existente – Essa você precisa de um profissional habilitado para poder supervisionar as etapas, é radical mas resolve, consiste em executar cortes nas 2 primeiras fiadas de tijolos em trechos alternados de 1m de comprimento, retirar tudo,limpar bem, regularizar a superfície, passar feltro asfáltico em no mínimo 2 camadas, deixar secar, proteger com argamassa e reconstruir a parede em alvenaria encunhada em 80 cm do trecho de 1m deixando 10 cm para cada lado para o transpasse. Fazer isso posteriormente nos espaços que ficaram alternados.

Mais dicas:

Ok, você já verificou o que causa a umidade e já fez os reparos necessário. Mas o que fazer agora? De acordo com Camila o ideal é “observar o local para que tenhamos certeza de que foi sanado o problema, e sempre é bom por alguns meses desolar os móveis dessa parede para que eles não estraguem e o local ventile mais até ficar realmente seco”.

Para quem está sem condições financeiras para realizar algumas obras para acabar com a umidade a arquiteta lembra que “a melhor forma de diminuir a umidade da casa é mante-la ventilada, arejada, e com janelas abertas para que consiga receber o sol, isso no inverno e verão”. Outro detalhe informado por Camila Chalon é que existem “algumas alternativas para diminuir a causa como aumentar os vãos das janelas, colocar bandeiras abertas nas portas para que ventile ar por cima, tratar o local com drenos”.

Festa da fotografia e arquitetura irá ajudar o Haiti

Padrão

Publicado em 22 de agosto de 2012

Arquitetura e a fotografia como arte em sua terceira edição./ Foto: divulgação

O concurso internacional de fotografia digital The Art of Building (A arte da construção) é considerado como a celebração fotográfica da arte na arquitetura, está na sua terceira edição, e reúne trabalhos enviados por fotógrafos profissionais e amadores do mundo todo.

O concurso organizado pelo Chartered Institute of Building, que representa os profissionais que trabalham na Construção Civil da Grã-Bretanha, vai premiar o melhor trabalho com 2 mil libras (cerca de R$ 6,3 mil). As 12 fotografias que estão em votação no site http://www.artofbuilding.org/ foram escolhidas entre três mil trabalhos inscritos.

A foto que vencer irá ser leiloado para levantar recursos para a construção de escolas resistentes a furacões e terremotos no Haiti.

Os interessados em conhecer os trabalhos e votar é só entrar no site descrito acima até o dia 6 de setembro.

Bacana a iniciativa, não é mesmo?!

Veja o que será tendência de cores em 2013!

Padrão

Publicada em 23 de agosto de 2012

Ainda falta alguns meses para 2012 acabar, porém os mais antenado já querem saber o que será tendência em decoração no ano de 2013. E para quem quer preparar a casa para o ano que chegará as cores são as que causam as maiores dúvidas. Pois bem, o post de hoje é exatamente sobre isso. Veja as cores de tintas que faram sucesso no próximo ano! 😉

Não haverá muitas mudanças nas cores, nada radical, apenas uma pequena variação de tons. Também serão usadas as cores neutras como o bege, o branco e o cinza clarinho. Porém, nesta cartilha quase inalterada e discreta pode-se dizer que uma série de seis cores vem chamando a atenção: bordô, madressilva, amarelo limão, azul escuro, verde brilhante e vermelho brilhante.

A cor bordô, também conhecida como vinho, será uma das protagonistas de 2013, é uma opção mais discreta, já que é uma opção similar do vermelho vivo, e ao mesmo tempo é cheia de estilo.

Romântica, enérgica e com toques de doçura a madressilva certamente será um dos xodós do ano. Suave pode ser usada em qualquer ambiente e em qualquer estação.

O citrino amarelo este ano é ideal para quem pretende renovar a casa e oferecer para oferecer espaço para relaxamento, tranquilidade e renovar as energias.

O verde limão é para os mais ousados, contudo uma variedade de tons da cor vem para preencher todos os gostos. É uma cor de vitalidade e que ao mesmo tempo estimula a paz e a memória. Boa dica: no quarto das crianças ou no local de estudo delas use o velho e companheiro verdinho claro, este tom estimula a capacidade cerebral.

Os tons escuros de azul vem com tudo em 2013. Perfeitas para as paredes internas de salas e cozinhas, ou objetos de decoração e imobiliário. Substitui com tranquilidade o preto, por ser mais claro e ao mesmo tempo ser tão elegante quanto.

Contudo, cuidado na hora de pintar o imóvel para deixá-los com a cara de 2013. As cores pouco mudaram, mas esta cartela de seis cores e tonalidades chamam a atenção. Nada de misturar o verde limão com o vermelho. Brinque mas com moderação!

Espero que tenham gostado das dicas!