Bons resultados de faturamentos de shoppings atraem franqueados

Padrão

O último texto de agosto fala sobre as franquias em shoppings centers. No texto há algumas dicas para quem está buscando espaço para abrir a sua franquia e ainda não se decidiu se irá por para funcionar a sua loja em um shopping ou em um imóvel de rua. Confira um trecho da reportagem abaixo. A matéria foi publicada no dia 29 de agosto de 2014, no site Mapa das franquias.

Captura de tela 

Bons resultados de faturamentos de shoppings atraem franqueados

Muitos empreendedores que estão pensando em abrir uma franquia e querem instalar sua loja em um shopping tem a seu favor os bons números que o setor traz. De 2007 a 2013 foram inaugurados em todo o Brasil 132 novos empreendimentos. Só no ano passado 38 novos shoppings entraram em operação e houve uma média de 415 milhões de visitas mensais. O mercado registrou neste período alta de 8,6% nas vendas se comparado com 2012, e assim atingiu R$ 129,2 bilhões, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

Segundo estudo da Abrasce, no primeiro semestre deste ano as vendas em shoppings aumentaram 7,44%, em relação ao mesmo período de 2013. Em junho o crescimento médio foi de 1,67%. Apesar do bom resultado ele foi abaixo do esperado pela Associação. Adriana Colloca, superintendente de operações da Abrasce, explicou que esta baixa foi decorrente de um junho atípico, com menos dias úteis em funções de feriados e dos Jogos da Copa do Mundo. “Apesar do crescimento tímido, o impacto da Copa do Mundo para o desempenho do setor foi menor do que o esperado. Os shoppings que consultamos informaram que o fluxo de consumidores caía nos dias de jogos da seleção brasileira, mas apresentava crescimento na véspera das partidas”, salientou.

As lojas franqueadas representam 62% do faturamento dos shoppings, sendo que estes comércios ocupam 37% da área bruta locada (ABL) dos shoppings no Brasil.

Leia o restante da matéria em: www.mapadasfranquias.com.br/noticia/bons-resultados-de-faturamentos-de-shoppings-atraem-franqueados

 

Abrir uma franquia de marca conhecida ou não?

Padrão

Muitos empreendedores que querem abrir uma franquia se questionam se devem ou não escolher uma marca conhecida. Há pontos positivos e negativos na escolha da marca conhecida. Para este artigo pesquisei sobre o assunto, li artigos, livros e o resultado foi este texto, publicado no site Mapa das franquias, no dia 26 de agosto de 2014.

Captura de tela

Captura de tela

Abrir uma franquia de marca conhecida ou não?

Abrir o próprio negócio é o sonho de muitas pessoas. Muitos empreendedores recorrem a abertura de uma franquia, pois o negócio é mais seguro que lançar uma nova marca. Quando o assunto é o mercado de alimentação as atenções de quem quer investir é alta. Só em 2013 no mercado de franquias neste setor aumentou mais de 16% em 2013. Mas será que investir em uma grande marca, já conhecida por boa parte da população é uma garantia de clientela? Alguns dirão que sim, mas especialistas na área garantem que tudo isso depende de pesquisa de mercado e muito estudo antes da abertura do comércio.

Em artigo, Marcelo Teixeira Cossalter, gerente de projetos da Galeazzi & Associados, explica que muitos que investem no mercado de franquias esperam que o retorno do investimento seja rápido, porém isso não ocorre na maioria dos casos. “Este otimismo é comum e está ligado ao fato das pessoas procurarem franquias de marcas já conhecidas e consolidadas no mercado, uma vez que muitos consideram a opção da franquia bem mais fácil que se arriscar em um negócio próprio. Eles esperam não enfrentar as barreiras que geralmente levam as empresas a fechar suas portas. Esta decisão pode realmente facilitar o sucesso, contudo não garante”, relata.

Investir numa franquia de restaurante com uma marca conhecida pode gerar problemas caso o futuro franqueado não conheça bem o negócio. Já e outros casos o sucesso pode aparecer desde que o empreendedor tenha conhecimento do mercado, busque sempre se atualizar e tenha paciência. Acima de tudo, é importante que o empresário não escolha a rede na qual quer ser franqueado apenas pela marca. No livro Dicas práticas para quem quer investir em uma franquia, Marcelo Cherto, presidente do Grupo Cherto, destaca que “por mais que a marca seja um elemento de grande importância, já que constitui um dos fatores de atração da clientela, de forma geral é um erro optar por esta ou aquela franquia em função apenas da marca que ela lhe permitirá ostentar”.

Leia o restante do artigo em: www.mapadasfranquias.com.br/noticia/abrir-uma-franquia-de-marca-conhecida-ou-nao

 

Food trucks são sucesso na gastronomia de rua

Padrão

Seguindo o assunto alimentação no setor de franchising, desta vez foi o momento de falar sobre os food trucks. Conversei com uma especilista na área e falei sobre duas marcas que abriram franquias voltadas aos restaurantes móveis. Veja abaixo um trecho da reportagem, publicada em 21 de agosto de 2014.

captura de tela reportagem

Food trucks são sucesso na gastronomia de rua

Sucesso na gastronomia de rua, os food trucks tem suas vantagens e desvantagens, assim como qualquer outro comércio. Ainda não há um número exato de quantos restaurantes móveis existem no Brasil, mas se sabe que eles estão conquistando espaço. Em São Paulo a Lei Municipal nº 15.947/2013 regulamenta os food trucks e amplia a venda dos produtos alimentícios. Antes apenas pipoca e cachorro-quente poderiam ser vendidos em barraquinhas e vans.

Um dos problemas apontados por Carla Somose, uma das fundadoras do Guia Food Truck nas Ruas, ainda é a burocracia para a abertura do comércio. Mesmo com a regulamentação, ela explica que na capital paulista “ainda há muitos food trucks que estão em fase de análise e avaliação para liberação do TPU junto a prefeitura para trabalharem na rua, em local fixo. Por isso as atividades gastronômicas dos food trucks estão sendo exercidas em áreas particulares, mas todos possuem seus alvarás para exercerem suas atividades”.

Carla disse que assim como qualquer outro restaurante, os empresários que investiam em food trucks antes da lei, tinham que possuir um alvará. Isso ainda ocorre em outras cidades que não possuem a regulamentação. As regras de higiene e limpeza dos restaurantes móveis são as mesmas das lojas tradicionais. “Os food trucks também passam por uma vigilância sanitária e acompanhamento junto com uma Nutricionista para manter a higiene e normas necessárias para trabalhar, conforme um restaurante, a regra é a mesma quando tratamos de alimentação”, salientou. Ela ainda lembrou que mesmo sendo um restaurante móvel, as dificuldades são as mesmas dos estabelecimentos fixos, como troco para os clientes, estoque dos produtos, armazenamento, treino da equipe e etc.

Leia o restante da entrevista e ainda confira quais as marcas que aderiram ao food truck: www.mapadasfranquias.com.br/noticia/food-trucks-sao-sucesso-na-gastronomia-de-rua

O setor de franquias voltado a alimentação cresceu 16,6% em 2013

Padrão

O setor de alimentação é o que mais cresce quando o assunto é o faturamento das franquias. Nesta reportagem além de falar sobre este mercado ainda há dicas de quem quer abrir um restaurante, mas quer fugir do fast-food. Leia um trecho dela abaixo. A publicação foi em 20 de agosto de 2014.

capura tela reportagem

O setor de franquias voltado a alimentação cresceu 16,6% em 2013

O setor de alimentação foi o que mais cresceu no mercado de franchising em 2013. No ano passado o segmento atingiu o faturamento de R$ 23,9 bilhões o que representa crescimento de 16,6%, segundo informações divulgadas pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). O movimento positivo tem agradado os franqueadores que pretendem expandir seus negócios neste ano. Dentro deste perfil está o Camarão e Cia que pretende fechar 2014 com 70 restaurantes. A meta da empresa é abrir 15 unidades em 2015 e mais 15 em 2016, para assim atingir 100 estabelecimentos em todas as regiões brasileiras. Outro objetivo é ter uma franquia fora do País. Sylvio Drummond, diretor da rede Camarão & Cia, contou que “estamos nos preparando para internacionalizar a marca. E a Flórida será a nossa porta de entrada nos Estados Unidos”.

Atualmente a rede conta com 55 lojas em 12 estados. O Camarão e Cia começou a operar em 1999, no Recife (PE). Segundo Drummond o diferencial da marca é a qualidade do produto. “Há 30 anos nós produzimos o nosso próprio camarão, em viveiros marinhos no litoral do Piauí. Com isso conseguimos garantir qualidade, preços e uma gastronomia de alta qualidade”, salientou. Em 2013 a rede faturou cerca de R$ 87 milhões.

O investimento inicial em uma franquia da marca é entre R$ 500 a R$ 750 mil. Cada franqueado contribui com 6% do faturamento bruto mensal, como royalties e mais 2% para publicidade, e custos com o ponto comercial. “Quando fechamos a abertura de uma nova franquia, estudamos a viabilidade do negócio, orientamos o projeto arquitetônico e realizamos o treinamento do ‘sócio’ aos funcionários da cozinha. Muitas vezes, também ajudamos no diálogo com os locatários. Hoje, a marca possui mais de 1,2 mil colaboradores no país, número que deve chegar a 2 mil nos próximos quatro anos”, contou Sylvio.

Leia a matéria completa em: www.mapadasfranquias.com.br/noticia/o-setor-de-franquias-voltado-a-alimentacao-cresceu-dezesseis-em-dois-mil-e-seis

 

 

Porto Alegre recebe a primeira loja da Yes Cosmetics

Padrão

Quais os problemas enfrentados pelos franqueados? Quais as expectativas? Estas perguntas norteram a entrevista que fiz com  Rosane Terragno, da loja Yes Cosmétics, em Porto Alegre. A matéria foi publicada no site Mapa das franquias no dia 15 de agosto de 2014.

Print de tela

Print de tela

Porto Alegre recebe a primeira loja da Yes Cosmetics

No dia 4 de junho deste ano abriu em Porto Alegre a primeira loja física da rede de franquias brasileira Yes Cosmetics. A Território da Beleza é dirigida pela administradora de empresas Rosane Terragno, fica no Centro Histórico da Capital Gaúcha e é especializada em perfumaria, maquiagem e outros cosméticos.

Rosane contou que a ideia de virar franqueada veio após decidir dar um novo rumo na sua carreira profissional. Anteriormente trabalhava em administração hospitalar, área bem diferente da que atua no momento. Ela explicou que apesar da formação nunca havia trabalhado diretamente na área administrativa então este mercado ainda é novo e por isso escolheu ser franqueada. “Eu queria sair da minha área, eu achava que viajava muito e que daqui a pouco ter um negócio próprio seria mais tranquilo. Me enganei um pouco (risos). Mesmo sem movimento tu tens que estar aqui, tem todo compromisso”, falou.

A escolha pela Yes Cosmetics veio após uma pesquisa sobre empresas de franquias. Rosane aponta que o fato da Yes não cobrar taxa de royalties, como as demais redes de cosméticos que atuam no franchising, foi positivo na escolha pela marca. Porém, a empresária ressalta que a liberdade dada pela rede tem seus traços negativos. “Toda a parte de divulgação da marca e da loja na tua região é por tua conta e risco”, salientou. A administradora ainda lembrou que o site da Yes é bem atrativo, mas nem tudo corresponde com a realidade. Rosane explicou que o valor inicial do investimento é de R$ 7.500 mil, contudo, este valor é para a compra da mercadoria, ou seja, o valor aumenta no momento da escolha do local onde a loja será inserida, decoração, internet, telefone e divulgação. “Isso pode pegar os desavisados como eu, mas não estou arrependida, pelo contrário estou bem confiante”, enfatizou.

Leia o restante da entrevista em: www.mapadasfranquias.com.br/noticia/porto-alegre-recebe-a-primeira-loja-da-yes-cosmetics

O número de livrarias é insuficiente para o tamanho do Brasil

Padrão

O mercado de livrarias no Brasil é pequeno. O número de livrarias é abaixo do recomendado e o mercado de franquias está atento neste problema. Confira mais sobre este assunto. A matéria foi publicada em 13 de agosto de 2014.

Print da tela

Print da tela

O número de livrarias é insuficiente para o tamanho do Brasil

O número de livrarias é insuficiente para o tamanho da população brasileira. De acordo com dados divulgados pela Associação Nacional de Livrarias (ANL) o Brasil conta com 3.073 livrarias para 5.700 mil municípios. A organização geográfica destas está relacionada à distribuição de renda, qualidade de ensino básico oferecido e também o número populacional das cidades. Sendo assim, quanto menor a renda menor é a qualidade de ensino e isso afasta as livrarias. O comércio de livros se concentra nas capitais e regiões metropolitanas, boa parte nas Regiões Sul e Sudeste.

No Brasil há 54 mil habitantes por livraria, sendo que a UNESCO recomenda que haja uma relação de 10 mil habitantes por livraria. Por sua vez, o mercado de livros está movimentado. As editoras brasileiras negociaram ao setor 279,66 milhões de livros em 2013, um aumento de 4,13% se comparado com 2012, no qual 268,56 milhões de obras foram comercializadas.

Para aproveitar este bom momento que o comércio de livros está passando e também para ajudar a suprir a falta de livrarias a SBS Livraria Internacional está investindo na abertura de franquias em cidades menores. Telmo Cunha, diretor de franquias da rede, explicou que com base nos dados apresentados pela ANL, a SBS se propôs a investir nas cidades que atualmente não são atendidas por este tipo de negócio. “SBS visa levar conhecimento e disseminar cultura, primeiramente, para as pequenas e médias cidades, carentes de livrarias, tornando-se referência na região. Este ano, a meta é inaugurar, no mínimo, 20 novas franquias com mix de produtos que podem ser adaptados conforme a necessidade local”, salientou Telmo.

Leia o restante da reportagem em:www.mapadasfranquias.com.br/noticia/o-numero-de-livrarias-e-insuficiente-para-o-tamanho-do-brasil

 

Uma rotina com cheirinho de chocolate

Padrão

Como funciona a rotina de uma loja franqueada? Este é o assunto principal desta entrevista com João Alfredo Júnior , diretor da loja Cacau Show, do Shopping Rua da Praia, em Porto Alegre. Confira abaixo trecho desta entrevista. A matéria foi publicada no dia 11 de agosto de 2014.

Print da tela

Print da tela

Uma rotina com cheirinho de chocolate

Há um ano e oito meses a rotina tem cheirinho a chocolate. Apesar do aroma o ritmo é intenso, assim como em todo o comércio. Além das vendas, tem também o “abastecimento de loja, treinamento de funcionários, foco no atendimento ao cliente”, explica João Alfredo Júnior, diretor da Chocolate Brasil Cacau, instalada no Rua da Praia Shopping, no Centro Histórico de Porto Alegre.

João Alfredo contou que ao perceber o crescimento da marca resolveu investir. Em dezembro de 2012 nasceu a franquia do Rua da Praia Shopping. Além desta, o grupo de sócios ainda possuem mais cinco estabelecimentos da Chocolate Brasil Cacau, no Bourbon São Leopoldo, no Bourbon Canoas, no Bourbon Country, no shopping Iguatemi e na rua Ramiro Barcelos.

Em cada loja trabalham cerca de quatro funcionários. Os dias de maior movimento no estabelecimento localizado no Centro da capital gaúcha é nas quintas e sextas-feiras, nas demais o fluxo mais intenso de clientes é nos finais de semana. Em relação aos negócios de uma franquia o empresário disse que “a maior dificuldade é lidar com a margem pequena do negócio, não temos muito o que fazer em termos de gestão de custos, a parte administrável é muito pequena para determinar maior ganho”.

A marca de franchising de chocolates informa em seu site que fornece todos os produtos prontos para os franqueados. João Alfredo confirmou a informação e explicou que as mercadorias são produzidas no parque industrial da CRM, localizado em Minas Gerais.

Leia o restante da entrevista em: www.mapadasfranquias.com.br/noticia/uma-rotina-com-cheirinho-de-chocolate