“Vale muito a pena trabalhar duro”, diz Elaine Gomes

Padrão

Elaine quer medalhar na EHF Cup/ Foto: página da atleta

Aos 14 anos, Elaine Gomes começou a sua trajetória no handebol, indo morar em Santa Catarina (BRA) para lá jogar. Hoje, Elaine, com 24 anos, atua no Kastamonu Belediyespor, clube da Turquia. Acostumada a levantar títulos desde a base, já que além de conquistas de campeonatos estaduais e da Copa do Brasil, ela tem no currículo a conquista do Pan-Americano Cadete, Juvenil e Júnior, também no Pan-Americano Feminino Adulto. Nos clubes europeus que jogou também conquistou títulos. Mas o mais importante, sem dúvidas, conquistado até agora foi o Mundial de 2013, quando defendeu a Seleção Brasileira. Mesmo com esse forte portfólio, Elaine passou seis meses sem clube, antes de defender o time turco. A atleta não se abateu, seguiu acreditando no seu potencial e treinando. Deu certo, Elaine estreou na equipe com conquista da Super Cup. E ela quer mais: conquistar a EHF Cup, a Champions League e medalhar nas Olimpíadas. Nós conversamos com a jogadora e ela nos falou sobre a carreira, as conquistas e os objetivos. Confira:

Dois Minutos: Conte para os leitores como começaste a tua carreira como atleta de handebol?

Elaine Gomes: Bom, a minha carreira de Atleta Profissional começou quando eu saí de casa aos 14 anos sozinha e fui atrás dos meus sonhos em Criciúma no ano de 2007. Foi onde tudo começou, a vida sem os pais, sem a minha cidade, amigos e foi uma das melhores coisas que aconteceram na minha vida.

Foi um turbilhão de sentimentos bons de ter, ver e viver numa estrutura com um ginásio oficial, academia, vários campeonatos e um salário só para jogar handebol.

Dois Min: Campeã Mundial pela Seleção Brasileira, além de ter no currículo Pan-Americano, Sul-Americanos, títulos conquistados com a Seleção desde a base. Elaine qual os quais os títulos que ainda sonhas em conquistar?

Elaine: A curto prazo é medalhar agora na EHF CUP. Uma competição que atualmente estou jogando e é a segunda mais importante de clubes do mundo. O segundo é jogar uma Champions League que é o maior campeonato de clubes do mundo, o terceiro seria ganhar todos os títulos citados acima, mas estando dentro das quatro linhas, jogando e sendo importante. O terceiro e a longo prazo é jogar uma Olimpíada e ser medalhista. O individual e pessoal é aproximar a minha performance cada vez mais em relação as melhores do mundo.

Dois Min: Como foi enfrentar o período sem clube? Foi o pior momento da tua carreira?

Elaine: Foram seis meses duros e de muito trabalho, mas não foi o pior momento da minha carreira, pelo contrário, foi um dos mais desafiadores, motivadores e de um crescimento pessoal sem tamanho. Eu relembrei e busquei as minhas raízes, a minha nova identidade e voltei a enxergar o quanto a Elaine era forte e determinada.

Vivia para treinar, aceitava as condições e vivia um dia de cada vez. Toda vez que eu pensava desanimar eu colocava uma boa música e ia treinar alguma coisa. Isso é verdade! Foi um casamento fiel e cheio de amor durante seis meses e todos os dias.

Tive a oportunidade de ter um Coaching, aprendi a me organizar e planejar, tive um Personal e técnico individual que me matava diariamente, tive uma Nutricionista, tive um Psicólogo, ainda treinava em uma das melhores academias/clubes de Fortaleza, que foi a Ayo Fitness Club. Enfim, tive uma força tão grande dentro de mim que quando paro pra lembrar de tudo dou um sorriso de alegria e fico com a sensação de que tudo valeu a pena. Na minha terrinha foi onde eu me preparei e consegui ter a sensação de Europa na AYO Fitness Club. Mesmo sem ter certeza alguma do que ia vir, eu treinava como se amanhã (o outro dia) fosse o dia que eu ia embora, e assim foi por seis meses até chegar o e-mail do meu manager com as propostas. Foi muito especial! Merecia ter textão (risos).

Dois Min: No ano passado estava com um mês no Kastamonu Belediyesi quando aconteceu a conquista do campeonato nacional. Como foi essa estreia dourada no clube turco?

Elaine: A Super Cup foi legal, mas como joguei poucos minutos não foi mais especial. Estava a pouco tempo na equipe e o técnico não me conhecia muito bem, estava naquela fase de ter a confiança primeiro das meninas e isso se leva tempo. Mas foi muito divertido viver esse momento e chegar com o pé direito.

Dois Min: Elaine como foi a tua adaptação ao Kastamonu e a Turquia?

Elaine: A minha adaptação foi tranquila, um pouco diferente do que já vi e vivi, mas na sabedoria e paciência que o meu momento de mostrar o meu trabalho e jogar o meu handebol ia chegar. Que foi pra isso que vim para a Turquia. A Turquia é linda, quero e tenho muitos lugares que desejo conhecer e planejo viagens. Fora a comida que é bem gostosa. E eu aaaamo comer! (risos).

Dois Min: Nesse começo de EHF CUP o time que defende está muito bem, líder do Grupo C. Qual o planejamento da equipe para essa temporada e para essa competição? E tu, como espera ajudar a equipe a chegar aos objetivos?

Elaine: A nossa meta na EHF CUP é ir para as semis, mas nós sabemos que será uma luta a cada jogo. Eu Elaine, quero medalha (risos).

Já na Liga Turca estamos na luta de conseguir levar o Bi Campeonato, após perdermos dois jogos no primeiro turno, agora precisamos ganhar tudo para o nosso plano se concretizar. E ter bom saldo para se precisar. Eu estou compenetrada nos nossos objetivos. Motivada e trabalhando para quando o técnico me chamar eu dar o meu melhor e trazer bons resultados pra nós.

Dois Min: Acredito que já saibas da punição sofrida pela Federação Pan-Americana de Handebol, no qual houve o risco de que seleções e times das Américas não poderiam competir internacionalmente, num primeiro momento. Isso é algo que te preocupa de alguma forma? Já teve a oportunidade de conversar com outros atletas sobre esse assunto?

Elaine: Hoje o mundo vive com muitos conflitos e problemas, né?! Em todas as áreas. Mas como sou sempre do copo mais para o cheio, sou positiva e acredito que isso vá ser resolvido do melhor jeito possível. Assim eu penso e espero. E não, não tive a oportunidade de falar com ninguém sobre.

Dois Min: Aos 24 anos a jogadora já pensou na aposentadoria ou esse assunto não preocupa e deixará para pensar lá no futuro bem bem distante?

Elaine: Não pensei e não penso ainda quando será, tenho que pensar em treinar e treinar e treinar porque ainda sou bem jovem para pensar nisso (risos). Mas os planos para ter uma renda e vida financeira sem o handebol, isso sim, eu penso e planejo porque a gente nunca nunca sabe o que pode acontecer.

Dois Min: Do que sente mais falta do Brasil?

Elaine: São muitas coisas hein! De dar um abraço na minha mãe de boa noite e de acordar ouvindo a rádio e descer pra ver ela cantando e sorrindo pra mim dando bom dia. Dos almoços em família com todos os primos e tios reunidos fazendo aquele barulho. Das risadas e momentos com os meus melhores amigos. E do mar, aaaaah, como eu sinto falta do mar, mas também da minha Igreja. São os dois lugares que me sinto em presença direta com Deus.

Dois Min: Tua frase preferida (assim está na tua página) é “Quem acredita sempre alcança”. Para encerrar, mesmo em meio a crise que o esporte vive, que mensagem deixa para os atletas e para os futuros jogadores.

Elaine: Essa frase me descreve totalmente. Eu amo! O que vou deixar para todos os atletas é que vale muito a pena trabalhar duro, dizer não, treinar, cansar, treinar, cansar e não desistir, porque as melhores coisas da vida são as coisas que não desistimos. Uma hora ou outra tudo se acerta. É só persistir, profetizar e trabalhar.

No train, no gain.

Boa sorte a todos(as) e vão em busca do sonho de vocês com coragem e amor.

~Escrita por Bruna Souza, para Dois Minutos Handebol, em 4 de fevereiro de 2018. Confira o original aqui.~

Anúncios

Espanha é campeã da EHF Euro Croácia 2018!

Padrão

No último domingo de janeiro, dia 28, a Europa conheceu o seu campeão de handebol masculino. Na decisão entre Espanha e Suécia fizeram um jogo intenso em que as defesas foram o destaque e o responsável pela vitória espanhola, que pela primeira vez conquistou o título continental.

Durante 12 a 28 do mesmo mês fiz a cobertura da competição para o blog Dois Minutos Handebol, a segunda principal do mundo envolvendo seleções. Além disso, a decisão do título foi coberta em tempo real pelo Twitter do Dois Minutos, encerrando com a crônica do jogo. Essa última poderá ser lida abaixo ou clicando aqui.

Espanha é campeã da EHF Euro Croácia 2018!

Depois de esbarrar em três final, a Espanha conquista a Europa!/ Foto: Real Federación Española

A Espanha é campeã da EHF Euro Croácia 2018! Na final realizada neste domingo, 28 de janeiro, na Arena Zagreb, na capital croata, a seleção espanhola encarou a seleção sueca, numa partida que incendiou a torcida que lotava o ginásio.

O jogo começou intenso, com a bola sendo disputada segundo a segundo. O confronto mal tinha começado e os espanhóis já tinham balançado as redes, abrindo o marcador. Não demorou, porém, para os suecos também marcarem (1-1). Nos minutos iniciais a Espanha era melhor, tinha no ataque a agilidade suficiente para conseguir manter a equipe a frente. Contudo, a Suécia conseguiu corrigir as falhas e atacou forte, e mesmo com um 7 metros bem convertidos para os rivais, não se abalou. Pressionou tanto, que aos 10’35” conseguiu enredar os espanhóis, viraram o jogo e abriram três gols de vantagem. Jordi Ribera percebeu o baixo desempenho dos espanhóis pediu tempo técnico e na conversa com os atletas solicitou o “um contra um”. A Espanha tentou, nos contra-ataques diminuir a vantagem, mas a Suécia seguia dominando (8-6).

A Suécia dominou a primeira etapa/ Foto: EHF

Os suecos dominavam o confronto, com boas ações de ataque e uma defesa que estava impecável, se recuperava rápido, bloqueava as ações dos espanhóis e tinham ótimas defesas do goleiro Mikael. Mas aos 24′ a Espanha voltou a reagir e pouco tempo depois encostou no marcador (11-12). Toda via, a Suécia estava disposta a vencer e voltou a marcar e a abrir vantagem. Placar Parcial: ESP 12 x 14 SUE.

Na etapa complementar, a Espanha entrou em quadra dominando. A defesa fechou-se e o ataque foi para cima. Aos 5′ os espanhóis conseguiram empatar, viraram o jogo e abriram dois gols de vantagem (16-14). A partir daquele momento, os suecos não conseguiam reagir, tinham espaços na defesa, eram lentos na recomposição, contra-atacavam bem, mas esbarravam na fechada defesa da Espanha.

Os espanhóis pintaram o continente de vermelho, amarelo e azul/ Foto: print

Ao decorrer do segundo tempo, a Espanha não demorou para ampliar a vantagem, a Suécia melhorou no jogo. Trocava bem os passes, não perdia as bolas, contra-atacava, pressionava, ia para cima, mas errava nos arremessos a gol. Não conseguia converter os lances em gol. Era essa a principal fragilidade dos suecos. Nem mesmo quando os espanhóis estavam sem arqueiro, em virtude do goleiro-linha, conseguiram aproveitar todas as oportunidades de balançar as redes. Uma das vezes, a Espanha tinha perdido um gol, no ataque os suecos que correram e foram para a parte defensiva espanhola, que estava sem goleiro. Alex conseguiu ser mais rápido e quase dentro da goleira, espalmou a bola para fora, impedindo o gol sueco. Mas claro, quando a Espanha teve outro goleiro-linha, a Suécia aproveitou e arremessou do meio da quadra. Acertou a rede. Nos últimos minutos, o embate seguia intenso, com a Espanha defendendo bem, atacando sempre que possível e com a Suécia tentando chegar ao gol. Mesmo marcando mais vezes, os suecos não conseguiram segurar os espanhóis que acabaram o encontro com a vitória, o título e a vaga para disputar o Mundial 2019. Placar Final: ESP 29 x 23 SUE.

O goleiro espanhol, Arpa, foi considerado o melhor jogador da partida. A artilharia da final foi compartilhada entre Ferran Solé e David Balaguer, Espanha, e entre Jesper Nielsen, da Suécia, com 5 gols cada.

Após o enceramento da partida, Raúl Entrerrios, o camisa 9 da Espanha, falou sobre a conquista:

“É uma situação incrível, difícil de definir. Nós trabalhamos muito para isso. É um prêmio para toda equipe”.

França conquista o bronze

Franceses colocaram a medalha no pescoço/ Foto: print

Antes da grande final aconteceu a disputa pelo bronze. França e Dinamarca estavam na briga pelo terceiro lugar do campeonato. Ambas seleções tinham defesas bem armadas e ataques rápidos. O jogo foi disputado do início ao fim, com boas trocas de passes, bons arremessos e boas defesas. No primeiro tempo, os franceses conseguiram ser mais efetivos, abriram dois gols de vantagem e seguraram os dinamarqueses (17-14). No segundo tempo, no entanto, a Dinamarca foi para cima e também não deu muito espaço para a França, que só conseguiu se manter a frente graças a diferença criada no início. Vitória e bronze para a seleção francesa. Placar Final: FRA 32 x 29 DIN.

*Publicada originalmente em 28 de janeiro de 2018.

Federação Pan-Americana está suspensa pela IHF. Entenda!

Padrão

Logo da Federação Pan-Americana de Handebol

~ Publicada em 18 de janeiro de 2018 ~

No último domingo, 14 de janeiro, a Federação Pan-Americana de Handebol (PATHF) foi suspensa pela Federação Internacional de Handebol (IHF), após uma eleição realizada sem a presença da entidade americana ou dos presidentes das federações ou confederações nacionais do continente, com exceção do Canadá que teve representante. Com a decisão, nenhuma seleção americana ou times, no qual incluí as Brasileiras, poderão participar de competições Mundiais e Olímpicas.

Com isso, a PAHTF fica proibida de organizar campeonatos Pan-Americanos, neste ano teria o Pan-Americano Juvenil Feminino (em abril), Júnior Feminino (em março), Handebol de Areia (em junho). Sendo assim, as equipes nacionais ficam vetadas de participar de Mundiais e outros campeonatos que aconteceriam nesse segundo semestre (confira o calendário 2018). Fica ainda mais grave se pensarmos no caso das meninas e meninos da Argentina que não poderão disputar as Olimpíadas da Juventude, que será na capital Buenos Aires (ARG), justamente na estreia do handebol de areia numa competição olímpica oficial.

O problema não atingirá apenas as seleções. No caso, também são proibidas as participações dos times em torneios internacionais. Se a decisão de punição não for banida, não terá nenhuma equipe americana disputando o Super Globe 2018.

A punição a PATHF aconteceu em virtude da organização se negar a se dividir em duas partes. Uma que cuidaria exclusivamente do esporte no Norte das Américas, enquanto a outra cuidaria do esporte nas Américas Central e do Sul.

Em comunicado a Federação Pan-Americana diz o seguinte: “A PATHF se converteu numa vítima de um dirigente desportivo que manipula para benefício próprio a uma federação internacional, cujo o cunho de construir um mundo melhor através do desporte nada tem haver com esses interesses mesquinhos”.

A Federação explicou que a decisão tomada pelo Conselho da IHF aconteceu no último domingo, em Zagred, na Suíça, onde fica a sede da entidade maior do esporte. Foram proibidas a participação dos representantes da PATHF, que nesse caso seria representada pelo presidente Mario Moccia e do representante continental Rafael Sepúlveda Montalvo. A PATHF ainda explica que a decisão de dividir o órgão americano é ilegal, já que a votação no Congresso da IHF (em novembro passado) de delegou o Conselho e o resultado desde a sua origem não atenderam o necessário: a votação teve apenas 60% dos votos a favor da divisão, sendo que para a aprovação eram necessários 66% dos votos favoráveis. Ao todo foram 102 votos positivos, 26 negativos e 40 absteções.

A medida de dividir a PATHF em duas foi decidida n Congresso da IHF, em 11 de novembro de 2017. No dia 11 de dezembro do mesmo ano, a PATFH levou uma petição a Comissão de Arbitragem da IHF para que a medida fosse bloqueada. No documento a federação explicava o porquê a decisão não poderia ser aplicada, pois é ilegítima. A Comissão tinha 30 dias para expedir a decisão, mas até essa terça-feira, 18 de janeiro de 2018, ainda não o fez.

Ainda no comunicado a PATHF explica que: “A IHF força separar a PATHF em duas federações que deverão incluir membros que não cumprem com os requisitos formais e/ou desportivos necessários para fazer parte da entidade.”

De acordo com a Federação Pan-Americana a única representante do continente americano presente no Conselho foi a presidente da Federação Canadense de Handebol, Raquel Pedercini. Segundo relata o texto: “Raquel foi denigrida aos gritos por parte do presidente da IHF por haver defendido a unidade de nossa confederação e foi ameaça com ‘ser removida do cargo’ por se opor”.

“A PATHF repudia absolutamente toda classe de violência de gênero, tanto física como verbal e defende a igualdade entre homens e mulheres em todos os estágios esportivos”, afirma a Federação Pan-Americana.

A nota traz ainda o desabafo: “A intensão de destruir a nossa federação é um ataque direto contra o conjunto do nosso esporte e, em definitivo, contra nossos atletas. Sem lugar de dúvidas, Moustafa busca destruir o handebol na América”.

Em matéria do Globo Esporte, a PATHF conta que medida de dividir a Federação foi motivada pelo fato de não ter convidado Moustafa para participar de uma Assembleia Extraordinária realizada em Bogotá, na Colômbia, em outubro passado.

Tentamos entrar em contato com a IHF nessa noite, mas ainda não obtivemos respostas. No site da organização não consta nada relacionado ao assunto.

Na sua página no Facebook, a Federação de Handebol do Canadá diz que segue apoiando a PATH “Nos mantemos com a Federação Pan-Americana de Handebol na luta pela transparência, autonomia organizacional e estado de direito” (ver a publicação).

O comunicado completo pode ser lido aqui.

**Trechos de citações do comunicado da PATHF e do post do CAH com tradução livre.

Confira a publicação original em: handebolminuto.wordpress.com/2018/01/18/federacao-pan-americana-esta-suspensa-pela-ihf-entenda/

Entrevista com Alexandra Nascimento: a craque do handebol brasileiro

Padrão

No Natal dei de presente para os leitores uma entrevista com a jogadora Alexandra Nascimento, a Ale. Na entrevista a atleta, campeã do Mundo com a Seleção Brasileira, eleita a melhor jogadora do mundo em 2012, dentre muitos outros títulos conquistados com a equipe nacional brasileira e também pelos clubes que defende. Abaixo a íntegra da entrevista, seguida dos links e de direcionamento ao blog de origem. As matérias foram publicadas nos dias 24 e 26 de dezembro.

Alexandra Nascimento fala sobre carreira e saudades do Brasil

Ale Nascimento durante atividade física/ Foto: arquivo pessoal da atleta

Alexandra Nascimento, a Ale, atleta da Seleção Brasileira e do Váci Noi Kézilabda Sportegyesület, da Hungria, está voltando aos poucos a jogar, mas já treina forte com a equipe. Foram longos seis meses de recuperação, depois de romper o cruzamento anterior cruzado do joelho esquerdo, em jogo pela Liga Húngara. Foi durante uma atividade ou outra de recuperação que ela conversou conosco e falou sobre a carreira, sobre o título de melhor do mundo e sobre as saudades do Brasil.

Ale começou a jogar handebol aos 10 anos e aos 22 foi para a Europa. Hoje com 35 anos e há 13 atuando por equipes do Velho Continente, as saudades do que ela deixou no Brasil por vezes bate mais forte.

“Não é fácil jogar aqui na Europa, não é fácil deixar o Brasil, a família, os amigos para começar uma vida aqui. Mas quando você ama muito o esporte, quando você tem certeza do que quer, você tem que abrir mão de muitas coisas. E eu abri mão da minha família e de jogar no meu País, abri mão de estar perto das minhas amizades, mas valeu apena, porque é o que eu amo fazer”, conta e completa:

“Independente se está aqui a 10 ou a 15 anos (risos) você vai sentir falta igual do Brasil. De comer a comida brasileira, de estar junto do seu povo, de escutar a sua língua. Isso eu sinto falta, mas agradeço a Deus por essa oportunidade de estar aqui”.

Alexandra foi nomeada a Melhor Jogadora de Handebol do Mundo em 2012 e um ano após conquistou o título mundial com a Seleção Brasileira. Além desses, Ale tem na carreira importantes títulos europeus, e vira e mexe é destaque nas competições. Com isso, a pressão sobre ela, principalmente dentro de quadra mudou e aumentou.

“Quando se consegue um êxito tão grande na carreira você se torna mais visado no jogo. É engraçado (risos) porque quando eu vim jogar na Europa eu estava ali na ponta e escutava ‘deixa a Nascimento’, como deixa a bola sobrar para mim. Depois, passando sete anos, eu trabalhando duro, consegui melhorar minha coordenação e o meu o arremesso, então, eu já escutava ‘segura a Nascimento, não deixa espaço para ela’”, fala ao lembrar que se desenvolver não foi fácil e que a conquista de títulos e ser a melhor do mundo também aumenta a responsabilidade, no qual teve que melhorar o tempo de arremesso e aprender coisas novas.

“Tem que tentar se reinventar, essa é a grande verdade”.

A ponta relatou que mudar não é fácil, porém é necessário. As conversas com o marido Patricio Martinez (ex-jogador da seleção chilena) foram importantes no momento da mudança. “Ele sempre me diz que não a gente não pode viver preso no passado, dá Graças a Deus, agradeça aos fãs, agradeça por ter sido eleita a melhor do mundo, mas já passou. Nome, camisa e troféu não ganham jogo. O que ganha jogo é o que você continua fazendo, se você se entregar 100%, continuar respeitando. É levar a sério o seu trabalho e levar o seu treino a 100%”, relata.

Ale explica que desta forma “as coisas fluem”.

Ela lembra que passou a ser mais marcada individualmente, mesmo na ponta, por isso ela teve de criar outros recursos como sair no contra-ataque, aprender a arremessar com menos espaço e bater sete metros.

Alexandra lesionou o joelho faltando apenas dois meses para o fim da temporada 2016/2017. Foi necessário então superar o desafio: “Foi bem difícil, eu estava desfrutando como sempre faço, e, aconteceu uma lesão dessa. É bom você ter momentos felizes na carreira, mas também, você tem que estar preparado para os momentos difíceis”, explica.

Publicado em: handebolminuto.wordpress.com/2017/12/24/alexandra-nascimento-fala-sobre-carreira-e-saudades-do-brasil/

Alexandra fala sobre a honra de ajudar no desenvolvimento do handebol

Alexandra Nascimento/ Foto: página da equipe

Nesse ano Alexandra Nascimento foi convidada para participar de um Grupo de trabalho sobre handebol feminino da Federação Internacional de Handebol (IHF), no qual o principal objetivo desse grupo será ajuda o desenvolvimento do handebol feminino em nível mundial. Ela falou um pouco sobre como o esporte é visto na Europa e a diferença aqui nas Américas, além de contar sobre o convite de fazer parte do Grupo da IHF. Essa é a segunda parte da entrevista com Alexandra Nascimento.

A ponta brasileira conta que assim como no Brasil, na Europa o futebol atrai mais incentivos, porém o handebol também conta com uma grande torcida.

“Claro que o handebol tem menos apoio que outros esportes, deixando mais claro o futebol. O apoio ao futebol, não é só como a gente vê no Brasil, na Europa também. O pessoal ama muito o futebol, não sobrando muito espaço para outros esportes. Mas aqui na Europa, pelo menos no handebol feminino, tem apoio”, relata.

Ale fala da experiência que tem no Velho Continente:

“Joguei 11 anos na Áustria, onde eles davam muito apoio. Também na Romênia, que joguei dois anos, também dão muito apoio ao handebol feminino. Agora estou aqui na Hungria, onde as pessoas são realmente loucas por handebol feminino.”

As questões de patrocínio também são problemas na Europa: “Claro que tem dificuldades e essa dificuldade é em relação a dinheiro, como em qualquer lugar do mundo. Mas aqui na Europa eu vejo um apoio muito grande para o handebol”.

Em relação ao handebol brasileiro, Alexandra lembra que o momento que o país vive é delicado:

“O Brasil está passando por um momento muito difícil e infelizmente isso também afeta o esporte. O handebol como não tem apoio, no Brasil ou nas Américas, sofre com isso. É bem triste, é lamentável, mas é a realidade”.

Sobre o Grupo de Trabalho para o desenvolvimento do handebol feminino da IHF, a atleta contou sobre como foi convocada para fazer parte: “Recebi um e-mail e fui convidada para participar de um grupo de trabalho da IHF. Respondi dizendo que aceitava com muito prazer”.

“Quero muito fazer parte deste grupo de trabalho, acho muito importante. Vou dar o meu máximo, como sempre, pois sempre que entra alguma coisa na minha vida é para fazer 100%. A oportunidade que tenho pra ajudar a minha modalidade para eu é uma grande honra”, finaliza Alexandra.

Publicada em: handebolminuto.wordpress.com/2017/12/26/alexandra-fala-sobre-a-honra-de-ajudar-no-desenvolvimento-do-handebol/

A cobertura do Mundial Feminino de Handebol 2017!

Padrão

A cobertura do Mundial foi em dezembro de 2017. A competição aconteceu na Alemanha de 1º a 17 do mês e contou com a cobertura do Dois Minutos.

Os jogos da Seleção Brasileira e da Final tiveram cobertura em tempo real pelo twitter do Dois Minutos. No blog todos os jogos tiveram cobertura com pequenas resenhas e crônicas esportivas. Os resumos e placares foram também destaques no programa Nada Além de 2 Min, transmitido nas segundas, quartas e sextas-feiras pela Rádio Estação Web.

Todo o conteúdo sobre o Mundial poderá ser lido aqui. Abaixo a crônica da final:

França é bicampeã Mundial!

França colocou a torcida para cantar neste domingo/ Foto: Federação Francesa de Handebol

A pequena torcida francesa recebeu um presente na tarde deste domingo, 17 de dezembro, em um confronto brigado minuto a minuto, com jogadas ensaiadas, com direito a empate, a boas vantagens e a viradas. A França conseguiu garantir a diferença nos segundos finais, com um gol e uma defesa, conquistando desta forma o bicampeonato no Mundial Alemanha 2017!

A França abriu o placar, defendeu e logo depois voltou a balançar as redes, abrindo uma pequena vantagem (2-0). Mas a Noruega seguia tentando furar o bloqueio francês, conseguiu. Aos 2′ as norueguesas marcaram o primeiro gol, três minutos depois Nora Mork bateu 7 metros fez o gol e empatou a partida, sendo que a seleção norueguesa virou o jogo logo depois (2-3). Aos 15′ as norueguesas abriram a diferença e dominaram o confronto (4-7).

As defesas estavam bem, no entanto, a França era mais fechada e bloqueava melhor, fora que tinha a goleira Amandine num dia de inspiração. A da Noruega tinha uma defesa mais lenta e mais aberta, porém, contava com o talento de Grimsbo como arqueira. Já no ataque, no começo, a França teve muitas dificuldades para encaixar os lances. Perdia bolas nas trocas de passes. A Noruega conseguia contra-atacar bem, também tinha erros de passes, mas conseguia dominar melhor os lances tanto que por quase 20 minutos impôs ritmo em quadra.

Mas, as francesas reagiram. Aos 19′ Amandine defendeu, pouco depois veio o gol do empate. Aos 23’15 a França virou. Mas um minuto depois, Nora Mork empatou. Já no finalzinho, a França voltou a ficar a frente. Placar Parcial: FRA 11 x 10 NOR.

Decisão nos últimos segundos

No tempo complementar as atletas mostravam que estavam com mais energia que antes. O jogo foi ainda mais disputado. No entanto, as francesas conseguiram dominar no ataque e bloquearam a defesa, desta forma fizeram três gols em 3′. Todavia, a Noruega não estava na final a toa. Nora Mork perdeu um tiro de 7 metros, mas poucos segundos depois, em um ataque ela marca (14-11).

Mork tinha problemas para atuar. Não perdeu em qualidade, era defesa francesa o motivo da queda de rendimento da atleta norueguesa.

Aos 11′ a Noruega voltou a tornar tudo igual no marcador. A partir daquele momento não havia mais vantagens. Era minuto a minuto, lance a lance. Se a Noruega marcava, a França marcava também. Entretanto, as norueguesas aos 17’48” conseguiram desempatar a partida e se manter por dois minutos a frente (17-18). As francesas foram para cima e empataram (19-19). Novamente, o empate no marcador prevaleceu. Era gol lá e gol cá, defesa daqui e defesa dali. Contra-ataques que esbarravam nas barreiras ou nas arqueiras. Faltando apenas 10 minutos para fim, o marcador igual demostrava que a partida ia para a prorrogação.

As seleções jogavam similares, mesmo assim, a França conseguiu abrir vantagem de dois gols, com arremessos de 7 metros de Pineau (22-20). No último minuto a Noruega marcou e encostou (22-21), todavia, a França, aos 29’43” fez o gol e na sequência a defesa do título. Placar Final: FRA 23 x 21 NOR

A Laranja Mecânica conquistou o bronze

A Holanda é bronze do Mundial/ Foto: SimplywunderBar

A Laranja Mecânica, também chamada de seleção da Holanda, conquistou no final da manhã e início da tarde, o bronze do Mundial. A equipe nacional enfrentou a Suécia.

O jogo foi equilibrado, mas as holandesas não demoraram para impor ritmo no embate. Dominando as jogadas. Apoiadas em uma defesa eficiente e um rápido ataque, conseguiram abrir vantagem. Já as suecas até tinham boas jogadas de ataque, porém esbarravam na defesa rival. Além disso, o ataque ansioso errava passes. Com isso, a Holanda foi para o intervalo com a vantagem (8-14).

No segundo tempo, a Suécia voltou mais focada. Corrigiu os erros nas trocas de passes e a defesa passou a bloquear com mais força. O jogo passou a ficar mais disputado, com bons lances para ambos lados. Contra-ataques e defesas difíceis das goleiras. A Holanda sentiu a pressão, contudo, conseguiu se manter a frente. Já a Suécia fez de tudo para tentar reverter o placar, mas não conseguiu tempo necessário para empatar. Vitória da Holanda, placar de 21 a 24.

Leia a crônica completa: handebolminuto.wordpress.com/2017/12/17/franca-e-bicampea-mundial/

Brasil campeão pela 10ª vez no Pan-Americano de handebol

Padrão

Foto: Santiago Russo/ Confederação Argentina de Handebol

O Brasil se sagrou o maior campeão das Américas quando o assunto é handebol feminino. No último domingo, a Seleção Brasileira conquistou pela 10ª vez o título Pan-Americano, novamente em um clássico com a Argentina, pelo placar de 38 a 20.

De 18 a 25 de junho aconteceu em Buenos Aires o Pan-Americano Feminino, principal competição do continente e que classifica os três primeiros colocados ao Mundial da categoria, que neste biênio será em dezembro na Alemanha. Como jornalista responsável e blogueira do Dois Minutos fiz a cobertura da competição.

Antes de começar o campeonato, já havia feito algumas matérias, mas um dia antes de começar preparei uma reportagem com os principais fatos para os torcedores pudessem acompanhar os jogos.

Na estreia, assim como nos demais dias, realizei a cobertura dos confrontos do Brasil pelo Twitter do Dois Minutos, no estilo minuto a minuto, com as hashtags #Guerreiras #BuenosAires2017.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Além da cobertura em tempo real, os jogos da Seleção tiveram crônicas esportivas publicadas. Mas não apenas o Brasil teve destaque, também fiz posts com os resultados e atualizações de todos os jogos disputados. Os links das crônicas e as matérias estão abaixo e para acessar basta clicar nos títulos.

Tudo que você precisa saber para acompanhar o Pan-Americano 2017

Brasil coloca Estados Unidos para dançar na estreia do Pan

Brasil dá chocolate na Colômbia na segunda partida do Pan Buenos Aires

Resumo dos primeiros dias de Pan-Americano de Handebol

Brasil vence o Paraguai de virada!

Saiba como foi o quarto dia de Pan-Americano

Brasil é superior e goleia Porto Rico

Seleção Brasileira enfrentará o Uruguai nas semifinais

Final de semana de decisões no Pan-Americano

Brasil bate o Uruguai e é finalista do Pan

O maior clássico das Américas na final do Pan-Americano Buenos Aires 2017

Brasil é campeão pela 10ª vez do Pan-Americano!

Final de semana para jornalista esportivo não é de folga

Padrão

O final de semana para jornalista esportivo não é de folga, mas sim de trabalho. Não é algo para reclamar, porém rola a brincadeira do “Cadê o glamour?”. Esse foi mais um domingo de trabalho, mais uma diversão. Com as finais da Champions League e do Campeonato de Handebol de Porto Alegre o dia foi movimentado.

Cobri em tempo real, via Twitter, a final masculina da Champions League e após crônica. Em razão dos horários, não pude fazer as finais masculina e feminina da competição da capital gaúcha, contudo, teve matéria no Dois Minutos.

Champions League

O clube, do brasileiro Rogerio Moraes, é campeão pela primeira vez/ Foto: EHF – Richard Walch

A cobertura da final entre Vadar e PSG, no minuto a minuto, foi feita pelo Twitter @dois_min, com a hashtag #ChampionsLeagueFinal. Após o jogo, foi acompanhado a premiação, também pelo Twitter. Com o fim do evento esportivo, a crônica do jogo foi publicada no blog Dois Minutos. Abaixo um trecho do texto.

Nos últimos segundos, Vadar se consagra campeão da Champions League

Nos últimos segundos, um gol que definiu o campeão no último apito do confronto de sessenta minutos entre PSG e Vadar. Um único gol, marcado por Cupic, deu a equipe da macedônia o título. Vadar campeão da Champions League!

A Arena estava lotada para ver o embate entre PSG e Vadar. A torcida presente cantava, vibrava, vaiava, comemorava, naquele jogo que em quadra pegava fogo. O time francês abriu o placar, que por quase 2 minutos não foi alterado. Mas os gols foram, aos poucos sendo marcados, e aos 5 minutos os macedônios já haviam conseguido o empate (2-2). A defesa estava impecável. Quase 3 minutos depois, o Vadar desempatou (4-2), e em um contra-ataque o Vadar abriu pela primeira vez a vantagem (5-2). Aos 12 minutos em um tiro de sete metros, o PSG encostou, mas seguia atrás no placar.

A defesa de ambos times estava impecável. Sterbik defendeu um contra-ataque veloz do PSG. Poucos minutos depois, foi a vez de Omeyer defender um contra-ataque do Vadar (5-8). O jogo estava intenso, muitas faltas, muitas trocas de passes, muitas roubadas de bola. O clima dentro de quadra começava a ficar mais quente, após a metade do tempo. Aos 22 minutos, o PSG voltou a encostar no placar (7-8). O que fez o Vadar atacar ainda mais forte. Durante ataque do Vadar, Nikola Karabatic acabou cometendo a primeira grande falta do jogo. O gol foi validado, o jogador francês levou dois minutos, a torcida reclamou, e uma confusão entre os jogadores se formou. Algo que não durou, pois o árbitro chamou a atenção dos atletas.

Leia a crônica completa: handebolminuto.wordpress.com/2017/06/04/nos-ultimos-segundos-vadar-se-consagra-campeao-da-champions-league/

Campeonato Municipal de Porto Alegre

LHH e UFRGS/ Fotos: Rogerio Graf e Ben Hur Maurr da Silva

Apesar de não ter tido cobertura, a final foi notícia no Dois Minutos. Como não assisti aos jogos não pude fazer as crônicas, mas isso não era motivo para não divulgar a competição.

LHH foi a grande campeã do naipe feminino. No masculino, UFRGS foi tricampeão. Confira a nota completa: handebolminuto.wordpress.com/2017/06/04/lhh-e-ufrgs-sao-campeoes-do-campeonato-de-porto-alegre/

Na sexta-feira, 2 de junho, fiz uma publicação no Facebook, Twitter e Google Plus do Dois Minutos com os seis últimos campeões do torneio. Uma imagem em estilo cartaz.

~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~ ~ o ~

Em maio aconteceram as finais da Champions League, no feminino, e da EHF Cup, masculina e feminina

A equipe comemora o título! / Foto: EHF

A final da Champions League feminina teve cobertura em tempo real, via Twitter, e também crônica sobre a vitória e o tricampeonato do Györ. O texto poderá ser lida no link: handebolminuto.wordpress.com/2017/05/07/gyor-e-tricampeao-da-champions-league/

As duas finais da EHF Cup não tiveram cobertura minuto a minuto, porém, assisti aos jogos e as duas finais foram contadas no blog Dois Minutos.

Rostov comemora o título inédito/ Foto: Rostov – EHF

Rostov é campeão da EHF Cup: handebolminuto.wordpress.com/2017/05/13/rostov-e-campeao-da-ehf-cup/

Göppingen é campeão da EHF Cup!:handebolminuto.wordpress.com/2017/05/21/goppingen-e-campeao-da-ehf-cup-2/

Vale lembrar que as duas competições femininas tiveram brasileiras no pódio 😉